Notícia

Moradores de Marília, SP, cobram mais passarelas em rodovias

Quem precisa atravessar a rodovia a pé por falta de passarelas acaba arriscando a vida diariamente em Marília, SP. Neste ano, 17 pessoas foram atropeladas quando tentavam cruzar as estradas. O número de mortes também foi maior em 2012. Foram dez contra as nove registradas no ano passado. De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual, o número de acidentes em 2012 já é 40% maior que em 2011.
Vicente Ribeiro da Fonseca tem 65 anos e trabalha com material reciclável. Todos os dias ele têm que ir do bairro Santa Antonieta ao Distrito Industrial. As duas regiões ficam na zona norte da cidade e são separados pela rodovia do Contorno. Sem passarela, o trabalhador tem que se arriscar atravessando pela rodovia. “Se tivesse passarela não precisava cruzar a estrada. A gente em medo, mas preciso fazer isso porque é o ganha pão da gente. Tenho que arriscar”, disse.
Atravessar a estrada também faz parte da rotina da comerciante Jaqueline Tamires Amadeu. Ela cruza a pista todos os dias para ir trabalhar. “Tem que ser ligeira. Tem que observar o espaço dos carros para estar atravessando", contou.
O operador de máquina Esmael Soares de Oliveira sabe bem o quanto é perigoso cruzar a rodovia e a falta que uma passarela faz no local. “Precisa de passarela. Quatro amigos meus já morreram no local. O último faz um mês e 15 dias”. Os 1.200 moradores do bairro Trieste Cavichioli têm que conviver com os perigos da rodovia Comandante João Ribeiro de Barros. O autônomo Luciano Crescente conta que como o bairro é novo não tem Posto de Saúde, escola ou supermercado. Por isso, precisa atravessar a pista para chegar ao distrito de Padre Nóbrega. “É muito perigoso atravessar a pé, principalmente com crianças”, alertou.
O presidente da Associação de Moradores do Bairro disse que já pediu ajuda aos vereadores da cidade. “Vários acidentes foram registrados. Já solicitamos o pedido na Câmara. Vamos ver se no ano que vem a passarela seja instalada”. Já o tenente da Polícia Rodoviária, Augusto José de Carvalho, disse que para evitar os acidentes as pessoas que não têm como atravessar a pista em passarelas devem tomar alguns cuidados. “Deve-se observar se o local onde irá fazer a travessia é local plano. Não se deve fazer próximo a aclive. Também é importante ter a visão do veículo que está se aproximando. No mínimo de 500 metros pelo menos. Utilizar roupas claras, principalmente durante a noite, para facilitar a visibilidade dos motoristas”, informou.
O prefeito de Marília, Ticiano Tóffol
COMPARTILHAR
Trabalhe conosco Entre em contato
aceitamos cartão BNDES
Av. Antônio Lacerda, 955 - Lote P - Dist Industrial | Pilar do Sul - SP Fale Conosco | contato@grupocoesa.com.br Acesso à administração do site Acesso à administração do site