Notícia

Paris Rive Gauche é exemplo de reciclagem urbana de área degradada

Arquitetos e construtores visitam em Paris bairro reciclado pelo Poder Público para abrigar famílias de baixa renda, escritórios e escolas

No limite sudeste de Paris, junto à margem esquerda do rio Sena e próximo ao anel periférico da cidade, um bairro inteiro está sendo construído no antigo 13° Distrito. Escolas, creches, edifícios comerciais e habitacionais, teatros e a imponente Biblioteca Nacional da França Presidente François Miterrand estão instalados numa área de 130 hectares, onde convivem 15 mil habitantes entre famílias de baixa renda e estudantes. Os escritórios novíssimos e equipados para não ultrapassar 35 kw/m²/ano receberam pouco a pouco pequenos escritórios, empreendedores mas também grandes empresas atraídas por menores custos e edificações mais eficientes.
O planejamento do bairro Paris Rive Gauche teve início ainda no final da década de 1980, devido às pressões por moradias (escassas e caras em Paris), os conflitos sociais e a necessidade de se recuperar uma área bastante degradada e industrial. O bairro foi apresentado a uma missão de engenheiros e arquitetos conduzida por Ana Rocha Melhado, consultora para certificação ambiental do selo Aqua (versão brasileira do selo HQE - Haute Qualité Environnementale). Ana, que trouxe ao Brasil a ideia de se criar um referencial de qualidade ambiental nos moldes franceses, acompanhou durante três anos a evolução do bairro enquanto fazia seu pós-doutoramento. "Este é o melhor exemplo de que se pode recuperar todo um tecido urbano de forma simples, desde que o poder público consiga mesclar usos e diferentes grupos sociais", diz Ana. "A vida é dessa forma, o urbanismo tem que ser assim." Ela coloca a iniciativa como exemplo a ser seguido em planos diretores como da Nova Luz, em São Paulo, e na região portuária do centro do Rio de Janeiro.

Partido arquitetônico e soluções
A linha férrea que acompanha o rio criava dois níveis no distrito, tornando a parte baixa e próxima ao rio inóspita e de difícil acesso. Uma enorme laje foi construída a 6 m do solo elevando-se à mesma altura do restante do distrito, criando um grande platô de serviços e moradias. Largas avenidas foram abertas, escritórios, moradias e escolas, tudo sobre este boulevard suspenso. Para evitar a transição de vibrações, um complexo projeto estrutural distribuiu os esforços de movimento sobre paredes estruturais lindeiras do talude e até de algumas fachadas de edifícios como teatros e escolas. O que parece somente uma fachada, tam
COMPARTILHAR
Trabalhe conosco Entre em contato
aceitamos cartão BNDES
Av. Antônio Lacerda, 955 - Lote P - Dist Industrial | Pilar do Sul - SP Fale Conosco | contato@grupocoesa.com.br Acesso à administração do site Acesso à administração do site