Notícia

VLT - O novo bonde do Rio

O Rio de Janeiro é uma as primeiras cidades do mundo a operar composições elétricas alimentadas por supercapacitores: a carga do sistema é realizada por meio de um trilho central, que é energizado apenas no trecho sobre a composição, e em cada uma das paradas, sob as plataformas de embarque. Há também um sistema de regeneração de força, que aproveita a energia em cada frenagem.

Uma primeira constatação: não há os tradicionais fios de alimentação ao longo das vias, como é comum nos bondes e trams de outros países.

Outro ponto importante é a acessibilidade do sistema, graças às rampas que permitem o acesso de cadeirantes, carrinhos de bebês e malas com rodinhas sem grandes esforços. Todas as paradas são bem sinalizadas, com paineis luminosos, mapas e indicadores do tempo de espera.

O pagamento da passagem é feito somente por meio do Bilhete Único, cartão magnético que pode ser usado também no metrô, ônibus, BRTs e trens da região metropolitana. Não há catraca a bordo: os passageiros devem validar seus cartões nos vários sensores dispostos ao longo da composição. Caso isso não seja feito, a multa é de R$ 170,00, avisam os funcionários da operadora. Equipamentos eletrônicos disponíveis em todas as paradas permitem o carregamento dos cartões. Tarifa: R$ 3,80.

O veículo é silencioso, salvo pela campainha de advertência, que avisa pedestres e outros veículos da aproximação da composição. Internamente, com ar condicionado, o silêncio somente é quebrado pelos avisos sonoros da chegada a cada estação. A circulação é suave, sem arrancadas ou frenagens bruscas, em velocidade de 10 a 30 km/h, sendo reduzida nos trechos de maior circulação de pedestres.

No momento, a linha funciona entre o Terminal Rodoviário e o Aeroporto Santos Dumont, passando pela área do antigo porto, que foi liberada após a demolição da via elevada perimetral. Nesse trecho, os trilhos estão assentados sobre um leito gramado com jardins recém-plantados, conformando um ambiente amigável, de convivência tranquila para pedestres e ciclistas.

De forma geral, os cariocas parecem estar muito satisfeitos e orgulhosos com a novidade. Um ponto a melhorar é o intervalo entre os trens: em alguns momentos a espera chega a 15 minutos, situação que segundo a operadora deve mudar à medida em que novas composições sejam entregues e passem a operar.

Fonte: Mobilize-Mobilidade Urbana Sustentável
COMPARTILHAR
Trabalhe conosco Entre em contato
aceitamos cartão BNDES
Av. Antônio Lacerda, 955 - Lote P - Dist Industrial | Pilar do Sul - SP Fale Conosco | contato@grupocoesa.com.br Acesso à administração do site Acesso à administração do site