Notícia

Você tem que estudar o pedestre, sugere especialista em mobilidade

Oscar Edmundo Diaz, profundo conhecedor do BRT, sistema de transporte de massa que revolucionou a capital colombiana, Bogotá e se transformou em modelo para todo o mundo, critica o chamado "culto aos carros" celebrado nas grandes cidades e defende políticas públicas que priorizem os pedestres, os ciclistas e o transporte público.

"O problema é que as cidades estão sendo feitas só para solucionar o problema dos carros. Você tem que estudar o pedestre. Primeiro, você tem que saber para onde a pessoa está indo e por quê", afirmou Diaz na terça-feira, 19 de novembro, durante sua apresentação no Exame Fórum Sustentabilidade, realizado em São Paulo.

O especialista exibiu uma série de imagens que denunciam irregularidades comuns nas grandes cidades: uma calçada sem espaço para as pessoas caminharem, uma faixa de pedestre que termina em uma calçada cercada por grades (o que impede a travessia), uma ciclovia que é, abruptamente, interrompida por uma parede ou um poste. E seguem os dilemas.

Com recursos sempre limitados, é preciso tomar decisões: pavimentar ruas para os carros ou criar uma área para pedestre? Ou uma ciclovia? Ou quem sabe criar uma faixa para BRT? Melhor ainda, por que não garantir infraestrutura para pedestre e ciclistas num mesmo espaço?

Oscar Díaz, é especialista em mobilidade urbana e afirma: "Isso significa repensar o espaço público de forma mais igualitária". Segundo o especialista, cabe aos governantes decidirem dar mais espaço para o transporte publico, esquecer de vez os carros e pensar nas pessoas. Para o colombiano, os engarrafamentos são "bons", porque incentivam outros meios alternativos de locomoção e motivam as pessoas a viverem mais próximas do trabalho.

"Quando os prefeitos fazem rodovias, é um erro, porque eles estimulam as pessoas a viverem longe", justificou.

Atualmente, nem mesmo Bogotá escapa dos engarrafamentos.Seu sistema de transporte de massa baseado em ônibus, está lotado. "Você tem que dar mais espaço para o transporte publico e mais espaço para as pessoas", sugeriu Diaz.

Para o especialista, o BRT não é uma solução só para os países de baixa renda, mas para o transporte em geral, pois é mais barato que metrô - e por ser mais barato, você pode ter mais corredor e mais disponibilidade de transporte. Expandir ciclovias é outra solução barata e eficiente.

"Eu vou de bicicleta ao meu escritório, são aproximadamente 6 km, gasto 22 minutos. Se eu for de carro, gasto pelo menos 45 minutos, sem fala
COMPARTILHAR
Trabalhe conosco Entre em contato
aceitamos cartão BNDES
Av. Antônio Lacerda, 955 - Lote P - Dist Industrial | Pilar do Sul - SP Fale Conosco | contato@spil.com.br Acesso à administração do site Acesso à administração do site